Depois de 10 anos, o Paysandu volta a se classificar para a segunda fase da competição mais importante da base do futebol nacional: a Copa São Paulo de Futebol Júnior.
A classificação veio depois da vitória de 2×0 em cima do Náutico, na última quarta-feira, dia 06.
Neste sábado, às 18:45, em Limeira, interior de São Paulo, o Papãozinho entra em campo para enfrentar o “bicho papão” da copinha: o Corinthians, atual campeão da competição.
O eterno xerife Vanderson, volante do time que fez História na Libertadores, assumiu o desafio de estrear como técnico da garotada bicolor nessa copinha e sua estrela brilhou. A campanha até aqui traz um empate, uma derrota e uma vitória, que selou a classificação.
A missão de surpreender o Corinthians é levada a sério pelo ex volante e hoje comandante da garotada. Ele tem um recadinho  pro torcedor bicolor, que chega a temer por uma goleada do time paulista. Confira:

bruno-smith

 

 

– Bruno Smith ( atacante)

Idade: 23 anos

Clubes : Atlético-RN, Grêmio, Fluminense, Internacional, Palmeiras e Penapolense ( último clube)

 

 

rai

 

– Raí ( lateral esquerdo)

Idade: 29 anos

Clubes: América-RN, Palmeiras, Mogi Mirim, Náutico e Sampaio Correa ( último time)

 

 

paulinho

 

-Paulinho ( volante)

Idade: 26 anos

Clubes: Figueirense, Internacional, Ponte Preta, Náutico e Criciúma,onde disputou a série B do ano passado.

 

raphael-luz

 

– Raphael Luz ( meia)

Idade: 26 anos

Clubes: Base do São Paulo, Atlético-BA, Uberlândia, Cuiabá e por último, Atlético-GO.

 

 

reforços papão

 

O domingo, 3 de janeiro, foi de agonia para aquele torcedor bicolor mais apaixonado.Teve gente que adiou o passeio com a família, foi pra missa mais cedo e até cancelou compromissos para, acredite, ficar ligado no site do Paysandu e saber quem seriam os 12 reforços contratados do time para a temporada 2016. A expectativa era para a tal lista sair às 18 horas, mas ela só foi anunciada 40 minutos depois e em vez de 12, foram anunciados três jogadores: dois para a lateral direita e um volante. Confira um breve currículo do trio.A maior expectativa fica por conta dos dois laterais. Não fazer a torcida sentir saudades de Pikachu, o maior jogador bicoor dos últimos 10 anos, é o desafio.

– Roniery ( à esquerda da foto)

Posição: lateral direito

Idade: 28 anos

Naturalidade: São Luís ( MA)

Clubes pelos quais jogou: Fortaleza, Sampaio Correa, Mogi Mirim, Paraná, Bahia, Botafogo e por último, Ceará.

Características: lateral ofensivo, mas sem deixar a marcação.Foi destaque no time do Paraná, em 2013, onde inclusive derrotou o Paysandu.

– Crystian ( à direita da foto)

Posição: Lateral direito

Idade: 23 anos

Naturalidade: Goiânia (GO)

Clubes pelos quais jogou: Vila Nova, Santos, Botafogo-SP, Boa Esporte-MG, Paulista e Paraná.

Características : Vem como uma aposta do Paysandu, assim como veio o lateral João Lucas, no ano passado, vindo da Penapolense. Me incomodei com o fato de ele ser conhecido apenas como “brother” do Neymar e fui colher informações sobre o jogador com um jornalista esportivo de Goiânia. Crystian começou lá, no Vila Nova. Vejamos o que ele falou: ” O Crystian surgiu com enorme potencial na base do Vila Nova. àgil, ia muito bem no apoio ao ataque. Tem histórico nas seleções de base e se tornou prata da casa na famosa Vila Belmiro. O desafio é se firmar de vez como jogador titular em um clube” ( João Paulo Di Medeiros, Jornal O Popular, de Goiânia)

-Ilaílson ( central na foto)

Idade: 30 anos

Naturalidade: Castanhal (PA)

Atuou no Clube do Remo no ano passado, onde foi bicampeão estadual e conseguiu o acesso à série C. Volante mordedor, implacável na marcação, com características semelhantes às de Ricardo Capanema, outro cão de guarda do time bicolor.

Durante esta segunda-feira, 4 de janeiro, são esperados mais seis jogadores e amanhã, terça-feira, mais três.

A reapresentação do time, já com o trio de jogadores anunciado ontem, será na tarde desta segunda-feira, às 16 horas, na Curuzu.

                                        FB_IMG_1423672921279-300x300

O sonho de vestir a marca mais rica do futebol mundial durou quase um ano para o Paysandu. Em fevereiro deste 2015 que se despede, começaram as especulações. O Presidente Alberto Maia não confirmou oficialmente na época, mas admitia “estar trabalhando” em uma possível negociação com a mítica Adidas, que hoje possui um faturamento anual de mais de 49 bilhões de reais. Vestir a camisa de um time cuja marca traz as três listras que traduzem tradição, passou a ser o sonho de todo torcedor bicolor. Várias montagens pipocaram na internet, mostrando como ficariam os mantos alvi- azuis. O contrato do Paysandu com a Puma( ex “irmã” e hoje arqui-rival da Adidas) termina neste 31 de janeiro, mas o sonho de vestir a poderosa marca alemã terminou mesmo.A assessoria de Imprensa do clube divulgou em nota oficial nesta quinta-feira, 30, que o clube não aceitou a proposta da marca alemã. Ninguém da diretoria quer falar, mas Informações extra oficiais dão conta que a empresa queria ceder apenas 10%, do valor de cada camisa vendida, ao clube. Não seria um contrato como os quais foram feitos com o Fluminense, Flamengo ou Palmeiras.  O acerto seria somente para o material da equipe profissional. O das divisões de base ou licenciado para venda direta teria que passar pela aprovação da empresa, o que atrasaria em muito o fornecimento dos uniformes.

Herbert Hainer, atual dono da marca, incorporou o espírito nazista do fundador da Adidas (Adi era filiado ao partido de Hitler) e colocou na cabeça que iria dominar o mundo dos artigos esportivos. Sua meta principal era superar a americana Nike e chegou a escrever esse objetivo nas paredes da empresa para ninguém esquecer. Deu certo. Hei Adidas! Em 2014, a empresa venceu a queda de braço com a Nike e foi a patrocinadora oficial da Copa do Mundo. Como o Brasil passou a ser um dos 10 países que mais compram seus produtos no mundo, a empresa resolveu ampliar o mercado passando a assinar os uniformes de clubes como Sport Recife, Ponte Preta, Botafogo e Capivariano de São Paulo. Mas pelo jeito, a ganância da gigante alemã não encontrou eco na corte bicolor.

A diretoria bicolor guarda sigilo absoluto sobre a nova marca de uniforme que vai vestir o time. Fala se até em uma marca própria, em parceria com a fábrica de confecções esportivas da Bomache, em Fortaleza. Mas nesse caso, o Paysandu teria autonomia na escolha do  design, tecido e na distribuição do produto, além, é claro, de conseguir uma margem de lucro mais justa em cima de cada material vendido.

raphael luz
Raphael Luz, meia atacante que brilhou no Cuiabá marcando três gols na final da Copa Verde contra o Remo, vencida pelo time de Mato Grosso por 5 x 1, está muito próximo de vestir a camisa do Paysandu. O jogador estava no Atlético Goianiense durante a série B.

Raphael diz faltar poucos detalhes para acertar sua contratação pelo Papão e não esconde sua expectativa. Ouça o que ele me disse, no início da tarde desta quarta-feira:

sede remo

Há pouco mais de um ano, nas primeiras eleições presidenciais da história do Clube do Remo, que foram vencidas por Pedro Minowa, pouca gente apareceu para votar. Mais de 10 mil sócios estavam aptos, mas menos de 1.300 eleitores apareceram. Os “atletas azulinos” que fazem o Fenômeno Azul não exibiam o vigor cantado no hino. O clima era de desesperança entre a torcida  e associados. Ninguém queria assumir o barco à deriva, com o time ainda sem calendário definido no segundo semestre, obras inacabadas e dívidas. Pedro Minowa, o candidato da oposição, venceu Zeca Pirão duas vezes, mas este ano renunciou ao cargo. Manoel Ribeiro assumiu como interino.

Hoje, o Remo é outro. Virou um clube com perspectivas depois que conseguiu o tão sonhado acesso à série C. O torcedor já faz planos de viagens para Fortaleza e Natal, durante o segundo semestre, acompanhando o time pelo campeonato brasileiro. É o Leão voltando a mostrar a cara pelo Brasil da série C, que maravilha! 2016 vem aí, com o sonho do tricampeonato paraense e a chance de alcançar o rival no número de títulos estaduais.

O maior reflexo dessa nova fase azulina está sendo visto na eleição marcada para o dia 23 de janeiro. Ano passado, apenas Pedro Minowa apareceu para tentar desbancar o então Presidente Zeca Pirão. Agora, 5 candidatos surgem  para suceder o “ Anjo do Oriente” : Miléo Jr, Helder Cabral, Alcebíades Maroja, André Cavalcante e…Zeca Pirão! Sim, ele está de volta. No final da tarde dessa terça-feira, 15, o advogado Marco Antonio Pina, vice na chapa de Pirão, anunciou a candidatura. Zeca Pirão foi derrotado por Pedro Minowa no ano passado por duas vezes. A primeira eleição foi anulada por suspeita de fraude. Veio a segunda e outra derrota. Mas agora, o candidato, cuja gestão foi marcada por obras inacabadas do Baenão, e gestão centralizadora quer fazer tudo diferente. Entre as obras que não foram adiante estão os muros laterais das cadeiras VIPs, que foram derrubados para a construção de camarotes. Pirão os vendeu e até agora, nada dos camarotes.

Nessa sexta-feira, 18, sai o edital marcando oficialmente a eleição para o dia 23. A partir daí, acontece a inscrição dos atuais e novos possíveis candidatos. Aberta a temporada de promessas, debates e troca de farpas. É possível também que aconteçam fusões. Aliás, é disso o que o Clube mais precisa. A tal união precisa sair do “discursês” O Remo tá voltando a ser grande, de fato, entrando 2016 com a agenda cheia de jogos e a alma recheada de sonhos. O próximo Presidente eleito vai ter um mandato tampão de 10 meses, com dívidas negociadas e novas perspectivas a partir, principalmente, da expansão do Projeto Sócio Torcedor.

A assembleia Geral do Remo lembra que os sócios que queiram escolher o novo Presidente precisam se habilitar à eleição do dia 23 de janeiro. Eles têm até o dia 22 deste mês de dezembro para se regularizar financeiramente com o clube e poder exercer o voto, como manda o estatuto. Depois, é só pensar direitinho, analisar o perfil e o histórico de cada candidato, para escolher aquele que pode voltar a fazer do Clube do Remo, uma turma toda de valor.